18/12/2020

Sabe a origem da proteína animal na ração que compra?

Alimentar bem o seu melhor amigo de 4 patas não devia ser uma tarefa difícil, mas infelizmente pode tornar-se mais complicada do que seria desejável – nomeadamente, tentar aferir a qualidade dos ingredientes presentes na produção!

De onde vem a proteína animal na maioria das rações secas?

Em grande parte das rações mais comuns, nem sempre o ingrediente principal é uma proteína animal inteira, como frango ou salmão. Na maioria das vezes, contêm farinhas de origem animal de baixa qualidade, feita a partir de restos de processamento de peixes e carnes em fábricas e matadouros – ou seja, produtos que não são comestíveis para humanos.

Sabe a origem da proteína animal na ração que compra? Alimentar bem o seu melhor amigo de 4 patas não devia ser uma tarefa difícil, mas infelizmente pode tornar-se mais complicada do que seria desejável - nomeadamente, tentar aferir a qualidade dos ingredientes presentes na produção!

Várias análises demonstraram igualmente que há farinhas que contêm gordura proveniente de restaurantes, gado doente ou carne de supermercado expirada.

A gordura animal utilizada na produção da grande maioria dos alimentos para cães e gatos, e descrita de forma genérica na lista de ingredientes, é também um sub produto do processamento dos desperdícios.Outro problema é que devem ser adicionados antioxidantes às farinhas durante a produção, para evitar que fiquem rançosas. Esses antioxidantes podem ser naturais, como vitamina E ou C, ou artificiais. No caso dos antioxidantes artificiais, os mais comumente usados são os produtos químicos altamente controversos e potencialmente nocivos como o hidroxianisol butilado ou E320, hidroxitolueno butilado ou E321 e galato de propila. Dado que são adicionados na unidade de processamento muito antes de chegar à fábrica de ração para cães, o fabricante não tem que declará-los no rótulo.

E há alternativas?

salmão saudável e natural

Em relação aos aditivos, deverá procurar os ingredientes que referem ser “livre de aditivos artificiais”, ao invés de “livre de aditivos artificiais adicionados”, pelo facto de muitos deles, como referido, serem adicionados antes de chegarem à fábrica onde as rações são produzidas.

No que respeita à qualidade nutricional das farinhas de origem animal, existe um debate alargado à volta deste tema, mas a maioria dos especialistas concorda que provavelmente não serão tão nutricionalmente benéficas para os nossos animais de estimação como os ingredientes frescos.

Simplesmente falando, são os alimentos de origem animal e vegetal adequados ao consumo humano. Na ração do seu cão ou gato, significa que a principal fonte de proteína animal advém de produção controlada e não de desperdícios, e que as frutas e vegetais são frescos e de qualidade alimentar.

Não acha que o seu patudo ou peludo ficam melhor servidos com esta opção? :)

Assine a nossa newsletter

Não perca os nossos artigos, promoções e novidades

    Artigos Relacionados